Matadouro municipal é assunto da Sessão

por Administrador publicado 10/04/2018 15h00, última modificação 21/04/2018 01h11
No pequeno expediente da sessão dessa terça-feira, 10, o primeiro vereador a usar a tribuna foi Clayton Moore, informando que, de acordo com o previsto em edital, no dia 18 de abril ocorrerá um pregão presencial para o Matadouro Municipal.

No grande expediente, a primeira inscrita, Marta da Dengue, parabenizou o governador Belivaldo Chagas, que tomou posse no último sábado, e que o mesmo esteve presente no HUSE e viu a situação dos aparelhos no local. A mesma relatou que o povo precisa de representantes políticos que assumam e cumpram com o compromisso para com a saúde, a educação e o saneamento básico. À parte, Creusa Maria informou que é muito triste o fato de os gestores não demonstrarem atenção aos bairros pobres afirmou que esta situação a deixa indignada. Retomando a fala, Marta informou que os gestores e a secretaria da saúde precisam cumprir com suas responsabilidades.

 

O segundo orador, JC, destacou que, em entrevista ao prefeito Valmir Monteiro, ouviu sobre questões do mercado, obras que estão sendo edificadas e acerca das ações do deputado Fábio Reis realizadas na cidade. Ressaltou sobre o calçamento do Povoado Brejo, e que o projeto foi levado para a Câmara para votação da expansão até o Parque das Palmeiras. Quanto à pavimentação no Povoado Mariquita, todo o processo de autorização e planejamento de calçamento não pode acontecer pois os recursos que podem ser conseguidos de Brasília não devem ser aplicados onde não é zona de expansão. Logo após, falou pelo fato de a empresa conseguir a licitação do Matadouro sem ter custo algum, e que os projetos precisam ser discutidos na Câmara com a participação do Poder Executivo. À parte, Washington da Cruz, comentou sobre os calçamentos do Povoado Mariquita, Rio fundo, Jardim Campo Novo e a Pista do Pau Grande que já estão em fase final. À parte, o Sr. Vereador Clayton Moore, relatou que a empresa que irá explorar o matadouro não irá repassar nenhum valor para o município. Finalizando sua fala, JC opinou que é preciso que sejam disponibilizados orçamentos para a cultura, e que uma cidade sem cultura, é uma cidade “morta”, e que precisam urgentemente, cuidar deste assunto, salienta também a necessidade de o Poder Executivo enfatizar estas questões, assim como também o Legislativo.

 

O terceiro vereador, Gilberto da Farinha afirmou ser uma vergonha o ocorrido no Estado, com a inauguração do Centro de Nefrologia, com a participação do governador, inclusive, sendo destaque no programa jornalístico Bom Dia Brasil. “Uma vergonha para o governo, e que parece uma palhaçada o que fazem com a saúde da população sergipana”, disse. À parte, JC ressaltou que sentiu firmeza na fala do governador Belivaldo Chagas quanto ao HUSE, e as suas prioridades que são a saúde e a segurança. Logo após, Baiano do Treze parabenizou o vereador pela escolha do tema. À parte, José de Carvalho, informou que, para além da saúde, o governador também faça o recapeamento da entrada de Itabaiana para Brasília e Jenipapo. Retomando a fala, Gilberto informou que o Jenipapo vem sofrendo com a falta de água há cinco anos, mas está correndo atrás para a resolução deste problema.

 

O quarto orador, Clayton Moore, sugeriu, sobre a exploração no Matadouro, que seria mais conveniente para o município que a Secretaria do Desenvolvimento Rural pudesse realizar tal atividade e que, o dinheiro do abate ficaria para o município.

 

O quinto vereador, Alexandro Carvalho, informou que está indignado pelo fato de a Câmara de Vereadores, por diversas vezes, age em discordância com o regimento interno. À parte, Clayton Moore, informou a necessidade de a população ficar atenta às atividades planejadas e realizadas pela prefeitura.

 

 

O sexto inscrito, Fábio Frank, informou que a administração está pagando os salários em dia, realizando inúmeras obras, calçando e pavimentando estradas. Ressaltou que o vereador Alexsandro precisa agir com mais respeito para com os demais parlamentares da casa e que os mesmos precisam ser aliados e defender seus grupos partidários. Quanto ao projeto da exploração do Matadouro, o mesmo tem encargos oriundos como funcionários, gastos de água e manutenção e que precisam ser pagos pelos lucros derivados do Matadouro. À parte, JC relatou que há a necessidade de respeitar a opinião de cada um da casa. Logo após, Clayton informou que uma das funções do vereador é fiscalizar. Finalizando, Fábio pede que os colegas vereadores contenham os ânimos e que sejam mais equilibrados psicologicamente para saber fazer as defesas sem agressividade para com os parlamentares.